Como escolher a ração ideal para o seu pet

A tarefa parece muito simples, afinal, é só entrar no mercado ou pet shop e comprar um pacote de ração para o gato ou cachorro. Mas como escolher a melhor ração diante de tantas opções?

Se para quem já esta acostumado a comprar ração as vezes fica com dúvida, imagina os marinheiros de primeira viagem? Sem mais delongas, vamos às perguntas fundamentais que você precisa se fazer ao ir comprar a ração:

A ração é para gato ou cachorro?
Qual a idade do meu pet?
Ele tem algum problema de saúde? (Leve em consideração queda de pelos, obesidade, tártaro, diabetes, alergias, prisão de ventre, bolas de pelos no caso dos gatos, entre outros)
Ração seca ou úmida?
Preciso comprar petisco e ração?
Quantos quilos de ração eu preciso comprar para um mês?
Vamos às respostas?
A primeira pergunta a princícpio parece muito boba, não é verdade? Mas já ouvi casos de pessoas que compraram ração de gato para o cachorro. Mas calma, não é porque a pessoa confundiu um gato com cachorro, isso acontece por pura distração. Então a minha primera dica, é: fique atento e leia o rótulo. Preste atenção se a racão é para gato ou cachorro, se a embalagem tem algum furo ou foi violada e não esqueça de conferir a data de validade.

Um tipo de ração para cada fase
Cada ração é feita pensando em cada fase do animal. E sim, você leu certo, fase e não idade. Com os animais não levamos tanto em consideração a idade exata como 1 ano, 2 anos, etc. A ração é pensada em: recém-nascido, filhote, jovem, adulto e idoso. Assim como acontece com os humanos, cada etapa da vida do animal exige uma dosagem específica de nutrientes.

Mais uma vez é preciso ler o rótulo, nele vem dizendo para que fase de idade a ração é indicada.

Considere a saúde na hora de comprar a ração
Como citei acima, é preciso levar em consideração alguns sinais como queda dos pelos, obesidade, tártaro, se ele é castrado ou não, entre outras peculiaridades da saúde do animal. Para alguns casos, existe a ração medicamentosa, que nada mais é que um alimento nutritivo, mas que ao mesmo tempo ajuda no trato da saúde do animal.

O meu gato, por exemplo, sofre de obesidade e tem problemas renais. A ração dele é diet e renal. Dizemos que esse tipo de ração é medicamentosa, custa um pouco mais, é verdade, mas a saúde do meu Pablito não tem preço.

Importante: quem vai indicar uma ração medicamentosa é o veterinário que acompanha seu animalzinho. Por isso é muito importante fazer o check-up dele anualmente ou com o período que o veterinário recomendar para o seu bichinho.

Ração seca ou úmida?
Com poucas poucas exceções, é comum usarmos na maior parte do tempo a ração seca e fazemos isso por motivos simples: não azeda, não atrai moscas e podemos deixa-la exposta durante todo o dia.

Cães e gatos se alimentam de formas diferentes. Os cães podem realizar suas refeições em horários determinados como nós. Já os gatos, gostam de comer pouquinho, mas toda hora. Por isso, a ração seca acaba se tornando mais popular.

Mas é muito interessante dar ração úmida umas duas ou três vezes na semana, veja bem, não é obrigatório, mas interessante. Por conter uma certa quantidade de água, ajuda na função renal. Também é muito útil nos casos de animais que sofrem de constipação, ou seja, prisão de ventre. Além dessas situações, é um coringa quando por algum motivos eles estão com dificuldade para se alimentar. É unânime: gatos e cães amam um sachê! 🙂

Diferença entre petisco e ração
A ração é o nosso arroz com feijão e o petisco, o pudim da sobremesa. Basicamente usamos os petiscos como forma de agrado, nos adestramentos ou quando queremos agradar mesmo.

Novamente, leia o rótulo! Existe limite da quantidade de petiscos diário, mas calma, não precisa ser vidente, vem tudo descrito no rótulo: a quantidade de petiscos varia de acordo com o peso do animal.

Falando em quantidade, já adianto que não existe um padrão alimentar. Na parte de trás dos sacos de ração, vem uma tabelinha que indica o porte e o peso do animal, a partir disso, há uma indicação da quantidade diária que deve ser ofertada. Mas isso não significa que não pode ser alterado. É possível que a quantidade indicada não satisfaça seu animalzinho. Talvez ele se exercite muito e sinta mais fome. O contrário também pode acontecer. Verifique se o que esta oferecendo não é demais, pois assim como acontece com os humanos, alguns animais podem comer em excesso e desenvolver distúrbios alimentares, mas isso é papo pra outro dia.

Leave a Reply